Vereador  denuncia  esquema que visa lhe derrubar da Presidência da Casa


André afirma que vem sofrendo retaliação depois de anunciar apoio a Léo Loureira para estadual

O clima eleitoral 2018 começa a esquentar nos bastidores políticos da pacata cidade alagoana de Flexeiras. Que o diga o presidente da Câmara, vereador André da Téo (PSB), que denuncia um grupo de sua bancada, que agora tenta desestabilizar seu cargo, pelo fato de resolver apoiar dois candidatos nestas eleições, que não constam na órbita política   arquitetada pela  prefeita Maria Isabel Costa Souza, a  Dona Isa. Pois  segundo o próprio André da Téo (PSB) na sessão extraordinária que ocorreu na manhã da última quarta-feira, o tom da conversa entre os parlamentares foi totalmente diferente dos demais dias.

Estranha André da Téo que a atitude da vereadora e vice-presidente da Casa, Maria Nazaré (PSC), ao entrar com um recurso solicitando seu afastamento da Presidência  dando conta de uma suposta irregularidade no projeto de mudança do artigo 10 do regimento interno surge como pretexto de um complô de alguns integrantes da bancada.

“Não tenho dúvida alguma que tudo isso é fruto da independência que adotei em apoiar um candidato a estadual que contraria o gosto da prefeita; pois já estou sofrendo retaliação depois de ter tomado essa medida contra ela, que sempre esteve ao nosso lado” disse. André está apoiando Léo Loureiro para estadual e Collor para o governo. Pois  gestora queria que ele apoiasse  Jô Pereira e Renan Filho, estadual e governo respectivamente.

No pedido de afastamento a vereadora Maria Nazaré afirma que André da Téo não pôs em votação o projeto de resolução n° 01 de 22 de agosto de 2018, que dispõe sobre alteração do art. 10 do regimento interno da Casa. Para André da Téo, o pedido de seu afastamento por essa suposta irregularidade foi uma surpresa, e que esse projeto de alteração no regimento, até o momento foi o primeiro e único apresentando pelos vereadores, Liberato Mitchell (DEM), Maria Cristina (PSDB), e Márcio Viana (PP), que são da Comissão de Justiça, Legislação e Constitucionalidade