COVID-19: Saiba o que é, quais são os sintomas e como se prevenir


Podemos falar um pouco sobre o coronavírus?

Imagem da Internet

• O que é?
– O COVID-19 é um novo vírus, da família dos Coronavírus. Ele é considerado novo, pois o primeiro caso foi descrito em dezembro de 2019 em Wuhan, na China.

• O que é uma Pandemia?
– O termo está relacionado à transmissibilidade e não à taxa mortalidade. Isto é, consideramos o COVID-19 uma pandemia pois ele está atualmente disseminado por “todo o mundo”.

• O COVID-19 é sério?
– Sim, o novo coronavírus deve ser levado à sério. Mas NÃO É MOTIVO DE PÂNICO!

• A humanidade está bem preparada!
– O vírus foi identificado de forma rápida. Na análise genética pudemos identificar que é novo, classificado como coronavírus e que a frequência de mutação não é muito alta.
– Tendo identificado o vírus de forma eficaz, já está disponível um teste (RT-PCR) para detectá-lo em pacientes suspeitos.
– A análise genética ajuda a estudar e desenvolver possíveis vacinas, antivirais e outras medidas para combatê-lo.

• Qual o ponto positivo?
– A taxa de mortalidade média, no geral, no mundo não é alta (em torno de 3,7%).

• Qual o ponto negativo?
– A transmissão do vírus está ocorrendo de forma rápida.

•Quem são as pessoas afetadas?
-Qualquer pessoa pode contrair o vírus. Mas nem todas irão desenvolver os sintomas.
– Crianças e adolescentes, quando infectados, normalmente apresentam sintomas leves da doença.
-Estudos sugerem que pessoas acima dos 40 anos podem ser mais suscetíveis a apresentar sintomas e complicações que precisem de avaliação médica.
-Pessoas acima de 60 anos estão mais sujeitas a complicações graves (necessidade de cuidados intensivos em UTI). Neste grupo também estão incluídos pessoas imunodeficientes ou que possuam outras doenças de base como HIV, asma, hipertensão arterial, diabetes, doença pulmonar, doença cardíaca ou câncer, independente da idade – essas pessoas devem ter um cuidado maior.

• Como é transmitido?
– Estudos sugerem que a transmissão se dá pelo contato com gotículas de saliva de pessoas infectadas.

• Quais são os sintomas?
– Em geral, sintomas de um resfriado. Os mais relatados são febre, sensação de fraqueza/moleza e tosse seca. Outros pacientes relataram dor no corpo, dor no peito, secreção nasal e dor de garganta.

• Como se proteger?
– Lembre-se de medidas de higiene básicas para evitar quaisquer outras doenças em nosso país! Lavar as mãos com água e sabão de forma frequente se mostra bastante eficaz,principalmente usando detergente!
Há descrição também do uso de solução de etanol (álcool à 62-71%);
– Outras medidas variam de acordo com o local, cidade, estado, país. Mas no geral, incluem evitar locais muito cheios, evitar levar as mãos aos olhos, nariz e boca, manter a distância de pelo menos 1 metro de alguém que esteja espirrando ou tossindo.

• Quem deve usar máscaras?
-> APENAS
– Pessoas da área da saúde, isto é, médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas e outros profissionais que estejam em ambiente hospitalar;
– Pessoas que apresentam sintomas de resfriado.
– Pessoas que apresentam maior risco (já citadas acima, idosos e imunodeficientes ou que tenham outras doenças de base).
->POR QUÊ?
– As pessoas que apresentam sintomas, independente de ser o coronavirus ou não, precisam ter a consciência de usar máscaras para evitar contaminar outras pessoas com gotículas de saliva infectadas.
– Se você está saudável, sem sintomas, não está no grupo de risco e está estocando máscara em casa, saiba que está sendo bastante egoísta! Você estará tirando a chance de pessoas que realmente precisam, de protegerem a si mesmos e aos outros!

• O que é a quarentena?
– É a reclusão de pessoas, em determinado local, pelo período máximo de incubação da doença. É contado a partir da data do último contato com um portador da doença em questão ou da data em que essa pessoa abandonou o local em que se encontrava a fonte de infeção.
– Estudos tem sugerido que o tempo de incubação do COVID-19 varia de 1 a 14 dias.
-Não entendeu?
-> Por exemplo, em Fevereiro, uma pessoa que voltou de uma viagem para algum dos países que apresentavam história de coronavírus, deveria ficar reclusa por um período de até 14 dias. Tempo suficiente para a pessoa deixar de transmitir a doença, caso tivesse sido infectada, independente de ter tido sintomas ou não.

• Se tiver sintomas de resfriado:
– Em pouco tempo não fará diferença se você viajou ou não para fora do país, porque já há casos de transmissão interna, isto é, pessoas que haviam viajado, se infectaram e já infectaram outras pessoas;
-Então, se estiver com quaisquer sintomas de resfriado evite contato com pessoas idosas, imunodeficientes ou com doenças de base.
– Não vá ao trabalho ou à escola. De preferência não saia de casa mas, se precisar, use máscara.

• Quando então procurar o hospital?
– Se estiver com febre alta que não ceda, tosse e dificuldade para respirar.
->Lembre-se que o hospital é lugar de inúmeros doentes. Dessa forma, NÃO vá ao hospital se estiver com sintomas leves. Você estará pondo em risco a SI mesmo e a outras pessoas!

NÃO ENTRE EM PÂNICO!

– Evite a chamada “histeria coletiva”.
– Procure uma fonte confiável de notícias! Evite as chamadas fake news ao ficar olhando o Whatsapp o tempo inteiro!
– Não se espante com a quantidade de mortos de outros países. A realidade deles é diferente da nossa. Sabemos, por exemplo, que a maior parte dos países da Europa possui um grande número de idosos, em relação a população geral. Como já vimos, pessoas acima dos 60 anos estão mais sujeitas a complicações.
– O Brasil tem a vantagem de ter tido seus primeiros casos meses depois do primeiro relatado. Isso nos deu a oportunidade de nos prepararmos um pouco melhor.
– O nosso governo pode chegar a solicitar uma “quarentena voluntária”. Isto é, pedir que as pessoas voluntariamente fiquem reclusas em casa, como tem acontecido em alguns países da Europa e temos visto com frequência na Itália. Em alguns lugares no Brasil, como nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, essa quarentena já foi iniciada… Também não fique com medo! Solicitar a suspensão de aulas em escolas e faculdades, suspensão de trabalho temporariamente, pedir que as pessoas fiquem em casa, isso funciona como medida preventiva à disseminação do vírus, especialmente enquanto ainda não foi desenvolvida uma medida de combate.
– A regra é: se você estiver saudável e sem sintomas, mas puder trabalhar ou estudar de casa, prefira. Use o home office, Skype, inúmeras ferramentas que estão disponíveis. Caso não seja possível, tome as medidas necessárias para sua proteção e a dos outros.
– O que queremos é reduzir a disseminação do vírus! Quando menos ele se disseminar, menor serão as chances de complicações.

->Lembre-se, a humanidade já passou por outras inúmeras epidemias e “cá estamos nós para contar história”. E nunca antes estivemos tão preparados!

VAMOS SUPERAR MAIS ESSA JUNTOS!

Autor Desconhecido