UFC – Dificuldade para obter visto tira 14 brasileiros dos próximos eventos


Lutadores devem ter seus próximos combates reagendados pela organização

José Aldo, lutador (imagem da internet)

O  lutador José Aldo foi forçado a deixar o card do UFC 250, quando faria a luta principal do evento contra Henry Cejudo. Além do ex-campeão dos penas, outros 13 brasileiros que moram no Brasil precisarão ter seus próximos compromissos reagendados pela organização.

A explicação é que as Embaixadas Americanas no mundo todo não estão atendendo cidadãos não-americanos e, com isso, ficou impossível neste momento que os atletas renovassem o visto de trabalho para viajar para os Estados Unidos, onde está previsto que ocorram os próximos cinco eventos.

A falta de visto não foi por descuido dos lutadores. O visto do tipo P1, que é o que os atletas tiram para lutar nos Estados Unidos, tem validade de apenas três meses, o que faz com que eles praticamente sejam obrigados a obter um por luta. Com a pandemia do Covid-19, o serviço foi suspenso por tempo indeterminado, e os brasileiros ficaram impossibilitados de resolver esta questão. Caso as embaixadas voltem a emitir o visto, a situação de alguns atletas pode mudar a tempo.

Quem acabou conseguindo foi Jéssica Bate-Estaca e Karol Rosa. A ex-campeã peso-palha, com luta marcada para o dia 18 de abril, que seria contra Rose Namajunas, antes de a americana deixar o card do UFC 249, conseguiu seu visto antes de a Embaixada fechar. Companheira de Jéssica na PRVT, Karol, que tem luta no dia 2 de maio contra Julia Avila, deu entrada no seu visto junto com Bate-Estaca, já que viajou como córner da lutadora. Com isso, seu confronto está mantido.

Vamos listar agora os outros casos, em cada um dos próximos eventos agendados pelo Ultimate, terminando no dia 16 de maio:

UFC Fight Night – 25 de abril

O evento do dia 25 de abril aconteceria em Lincoln (EUA), mas, assim como o UFC 249 e os próximos eventos que serão citados, o card será realizado em local a ser definido. Dois brasileiros ficaram impossibilitados de atuar: Ariane Sorriso, que enfrentaria Mackenzie Dern, e Raphael Bebezão, escalado para encarar Alexander Romanov.

Rodrigo Zé Colmeia, que já vive nos Estados Unidos e treina na American Top Team, está mantido para enfrentar Don’Tale Mayes no card. O mesmo caso vale para Glover Teixeira, que fará a luta principal contra Anthony Smith.