Pesquisa aponta que prefeito de Mata Grande/AL seria reeleito se eleição fosse agora


Em Mata Grande/AL, único município alagoano que até agora não apareceu caso algum de pessoas contaminadas pelo coronavírus, a corrida eleitoral começa a mostrar sua cara visando o pleito deste ano, quanto à eleição para prefeitos e vereadores. Pois diante desse clima, foi que o instituto de pesquisa Falpe esteve por lá fazendo um levantamento de opinião pública, entrevistando 700 eleitores; entre quarta e sábado da semana passada, cujo desfecho desse trabalho apontou uma vantagem para o prefeito Erivaldo Mandú (PTB) de 14%,  sobre seu mais provável concorrente; o ex-prefeito Hélio Brandão (PDT).

A pesquisa conforme o Falpe foi divinamente autorizada pelo Tribunal Superior Eleitoral-TSE, sobretudo depois de selado o registro de nº 01230/2020 junto ao TRE/AL. O instituto Falpe assegura também, que  margem de erros pode oscilar em 3,63% para mais ou para menos. Pois Erivaldo Mandu no quesito intenção de votos (você votaria em quem?)  caso as eleições fossem agora, obteve 48%, enquanto Hélio Brandão 34%. Nenhum 7% e não opinaram 11%

Hélio Brandão, que na eleição passado inventou de disputar a Prefeitura de Joaquim Gomes/AL quando perdeu o pleito por uma diferença de 130 votos para Adriano Barros, agora articula seu grupo na tentativa de voltar ao poder em sua terra natal. Mesmo desgastado pela prisão do filho Jacob envolvido num rombo financeiro na qualidade de prefeito de Mata Grande e da mulher Cristina que foi cassada como prefeita de Joaquim Gomes, acusada de compra de votos; vem liderando um grupo de oposição onde seu filho, Júlio Brandão possível será o candidato à vice de sua chapa.

Bronca

E como se não bastasse, Hélio Brandão ainda tem bronca na Justiça sobre prestação de contas de seu governo, quando administrou Mata Grande. O curioso agora, é que o velho Hélio Brandão vem absorvendo críticas e mais críticas naquela região sertaneja pelo fato de ter dado início a uma relação amigável politicamente com Celso Luiz, esse que findou seus últimos meses como prefeito de Canapi/AL na prisão, em face de uma fraude milionária com o dinheiro público municipal. É que Hélio e Celso não se bicavam; ambos pela ambição de dominar a política em parte do velho sertão alagoano.