Pacientes de câncer do interior que se tratam no HU terão casa de apoio em Maceió


Casa de Apoio à Vida Maria José da Silva será inaugurada neste sábado para acolher gratuitamente homens e mulheres do interior de Alagoas que fazem tratamento de câncer no HU, em Maceió

Pacientes de câncer do Hospital Universitário do interior do Estado de Alagoas ganharão um apoio em Maceió. Por conhecer as dificuldades do tratamento de um câncer, e saber que a realidade de muitos pacientes é ainda mais dura, a deputada federal Tereza Nelma junto com Associação das Pessoas com Câncer de Alagoas (Apecan), vai realizar mais um de seus sonhos e abrir, neste sábado,31, a Casa de Apoio à Vida Maria José da Silva. O local vai receber pacientes oncológicos enquanto fazem seus tratamentos no HUPAA.

Esses pacientes são pessoas de baixa renda que moram no interior do Estado e não têm condições arcar com os custos de viagens para fazer todo o tratamento.  A Casa terá nove vagas e estará equipada para receber homens e mulheres gratuitamente. “É mais um sonho, que nós estamos realizando juntas, eu e Myrtha (Presidente e Coordenadora da Casa Rosa), e estamos muito felizes com essa inauguração. Mais uma vez estou enfrentando um câncer, uma recidiva de colo de útero e ainda me emociono. Em 2015 fiquei careca, e de novo, em 2020, estou fazendo quimioterapia, mas estou muito firme e acreditando, tanto que vamos realizar esse terceiro sonho. Temos a Casa Rosa, voltada para a prevenção e diagnóstico, o Transporte pela Vida e, agora, a Casa de Apoio à Vida. Já está sendo construído, em Arapiraca, com recursos que viabilizei, o Hospital do Amor, para atender mulheres com câncer de mama e colo de útero. Também foi lançado, junto com o governador, o programa de reconstrução de mama”, contou a deputada Tereza.

O nome da Casa, Maria José da Silva, é uma homenagem a uma amiga da deputada e de Myrtha Nunes. Uma mulher humilde, moradora da periferia, que também foi paciente de câncer e que lutou muito pela sua saúde. “Maria não está mais entre nós, mas continuamos sempre lembrando a bandeira de vida que ela levantava”, disse Tereza. “Hoje, a gente levanta essa bandeira para que outras mulheres sejam beneficiadas com a casa de apoio, porque a gente sabe que são mulheres que vêm do interior, que já trazem além da doença, as questões financeiras como um grande impacto no tratamento”, completou a Presidente e Coordenadora da Casa Rosa.

De acordo com Myrtha, a Casa de Apoio será uma casa humanizada, na qual o paciente chegue e se sinta acolhido em um lugar aconchegante, para que dê continuidade ao seu tratamento.

Os recursos para que local fosse aberto e equipado veio da própria parlamentar e de doações de apoiadores da Casa Rosa. Além disso, conta com o apoio da UFAL, pelo Hospital Universitário e o Cacon. “Precisamos de todos. E cada um que possa contribuir com esse momento, é importante. Me sinto uma mola propulsora, mas sozinha não posso fazer tudo, e junto com todos eu consigo. Estamos engajados para esse atendimento humanizado, simples, mas com muito amor”, ressaltou.

Quem estiver disposto a ajudar, a Casa de Apoio deixou uma lista na Casa Vieira Praia e Farol, com os utensílios que ainda estão faltando. Doações maiores podem ser encaminhadas à coordenação da Casa.