Dr. Zireli de Oliveira Valença: de São José da Lage para o mundo científico


Artigo produzido por:  Dr. Jorge Luiz Soares Melo. É médico e membro efetivo da Academia Alagoana de Letras

O médico dermatologista, Zireli de Oliveira Valença, nasceu em São José da Lage/AL  e se tornou conhecido no mundo inteiro por descobrir o sinal que diagnóstica a “pitiríase versicolo”, o chamado pano branco, que foi uma das grandes descobertas da medicina dos anos de 1980, e que se encontra publicado em diversos livros de dermatologia que são adotados nas escolas médicas do País e no mundo inteiro.

Zireli de Oliveira Valença, possuía capacidade criativa e adquiriu sua independência intelectual, face às contingências que o envolvia. Independência estabelecida na mente, em pensamentos e atos. Como diz Kafka; “O trabalho intelectual arranca o homem à sociedade humana, o trabalho manual, pelo contrário, o conduz aos homens”.

A celebração da Missa de 7º dia ocorre na noite desta segunda-feira, 28

Sábio desde o nascimento, possuidor de uma inteligência estruturada pela cultura da sociedade, serviu como médico exemplar nas enfermarias de dermatologia da Santa Casa de Misericórdia de Maceió, onde dedicou a sua vida profissional, trabalhando até os oitenta anos de idade, com muita dedicação e muito amor, ele sempre afirmava que era médico da Santa Casa e assim procedeu, como verdadeiro sacerdote da medicina caeté.

Em seu consultório no Edifício Breda no centro da capital alagoana, atendia a todos sem distinção, não cobrava consulta dos menos favorecidos e ia pessoalmente nas residências consultar aqueles que o chamavam e chegou a atender diversas vezes em sua própria residência na Avenida Aristeu de Andrade, no Farol.

Zireli de Oliveira Valença, era docente aposentado da Universidade Federal de Alagoas, professor adjunto, ensinou várias gerações de médicos. Exemplo de auto-didata, possuidor de um senso de humor que cativava, ele vive no coração de seus milhares de alunos.

Amigo de todos;  um filho presente, irmão camarada, marido exemplar, tio querido, pai dedicado a seu querido filho Bruno e as suas filhas amadas, Valéria e Flávia, avô e bisavô, que amava seus netos, Lelinho e Zizinho, como ele carinhosamente chamava e um sogro pai e conselheiro, um homem maravilhoso, cheio de virtudes, que ficará para sempre na memória daqueles que o amavam.

Virtudes essas, que é a soma de todos os valores, humanos e sociais atribuídos a uma pessoa. Era possuidor da verdade, bondade, honestidade, sinceridade, lealdade, fraternidade e de um saber intelectual, que encantava.

Zireli de Oliveira Valença, era um homem de estilo, criativo, inquieto, lúcido, entusiasmado, dinâmico e, sobretudo, portador de um grande caráter e de uma personalidade forte. Possuidor de um humanismo que impressionava, de uma ética irrepreensível e de uma competência sem limites.

Em vida, recebeu várias homenagens: Na sua terra natal, onde aprendeu as primeiras letras, através da Prefeitura local, colocaram seu nome em um estabelecimento de saúde, no centro da cidade. No TRT/PE, recebeu do presidente do Tribunal, desembargador Milton Lyra, uma Comenda, pelos dedicados serviços à ciência.

Na Academia Alagoana de Medicina, recebeu uma significativa homenagem, das mãos do então presidente, Ednaldo Francisco de Holanda, um diploma de honra ao mérito pelos relevantes serviços prestados a medicina em Alagoas, na Santa Casa de Misericórdia de Maceió, recebeu das mãos-do provedor Humberto Gomes de Mello, uma importante homenagem por sua atuação naquele nosocômio.

A Sociedade de Medicina de Alagoas, através do presidente Fernando Antônio Gomes de Andrade, colocará seu nome na biblioteca daquela entidade. Já dizia Aristóteles: “A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las”.  E ele mereceu todas as homenagens.

O nosso querido, Zireli de Oliveira Valença, partiu dessa vida terrena para a eternidade, no último dia 22 deste mês, em busca de sua amada Nena, um anjo de bondade, deixando pela imaginação, no florir de nossos corações, um belo jardim de rosas dotadas de insinuante perfume que envolve os sentidos, pois, no simbolismo da rosa que ele nos deixa, está à pureza e o encanto do amor corporificado pela assimilação de sua imagem no melhor dos sentimentos.