Michelle Bolsonaro quer indenização de 100 mil de revista por insinuar que ela estava botando “gaia” no presidente


Em recurso apresentado ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), a primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro afirmou ter sido retratada de forma “machista” em texto da revista  Isto É:  “O esforço de Bolsonaro para vigiar a mulher de perto“,  publicado em fevereiro de 2020. Michelle quer uma indenização de R$ 100 mil e uma retratação pública por insinuar que ela estaria tendo um caso extraconjugal com o então ministro da cidadania Osmar Terra.

“Pautaram-se em informações mentirosas sobre suposto desconforto no casamento e construíram uma plêiade de conteúdo raso para disseminar a ideia de que a primeira-dama teria sido infiel a seu marido”, afirmou o advogado de Michelle, Fabio Kadi. “Nitidamente se portaram de maneira machista, como se a primeira-dama fosse um objeto ou coisa a ser ‘vigiada’ por alguém”

No recurso também é citada a jornalista da TV Cultura, Vera Magalhães, que usou seu Twitter para sair em defesa de Michelle dizendo que as insinuações sobre a primeira-dama são “nojentas e nem de longe se enquadram no que seja jornalismo“.

O recurso foi feito para tentar derrubar decisão da juíza Adriana Basso, da 3ª Vara Cível de São Paulo, que, em dezembro, absolveu a revista por considerar que a publicação ficou “no limite da liberdade de imprensa e de informação“.

As informações são do portal UOL