No Afeganistão Talibã determina que as apresentadoras de TV terão que cobrir o rosto durante o trabalho

Mulheres afegãs sofrem com a perda de direitos após retorno do Talibã

Classificada como ‘conselho’, ordem entrará em vigor a partir deste sábado; não há informações sobre punição a quem não cumpri-la

ADNAN ABIDI/REUTERS – 5.11.2012

Autoridades do Talibã pediram às redes de televisão do Afeganistão que garantam que as apresentadoras de emissoras locais cubram o rosto quando estiverem no ar, disse uma autoridade nesta quinta-feira (19).

A medida ocorre dias depois que as autoridades ordenaram às mulheres que cubram o rosto em público, um retorno a uma política do antigo regime linha-dura do Talibã e uma escalada para restrições que estão causando críticas dentro do país e no exterior.

Publicidade

“Ontem nos encontramos com representantes da mídia […], e eles aceitaram nosso conselho com muita satisfação”, disse Akif Mahajar, porta-voz do Ministério para Promoção da Virtude e Prevenção do Vício, do Talibã, à Reuters, acrescentando que essa medida seria bem recebida pelos afegãos.

VEJA TAMBÉM

Embora tenha classificado a medida como um “conselho”, Mahajar acrescentou: “A última data para a cobertura do rosto para apresentadoras de TV é 21 de maio”, referindo-se a quando o cumprimento do novo requisito deve começar.

Mahajar não respondeu a uma pergunta sobre quais seriam as consequências de não seguir o conselho.

A maioria das mulheres afegãs usa lenço na cabeça por motivos religiosos, mas muitas em áreas urbanas como Cabul não cobrem o rosto. Durante o último governo do Talibã, de 1996 a 2001, era obrigatório para as mulheres o uso da burca azul que cobre o corpo todo.

Mahajar disse que as apresentadoras podem usar uma máscara facial médica, como tem sido amplamente utilizada durante a pandemia de Covid-19.

Clique no link abaixo e veja a reportagem através do Jornal da Record…

https://noticias.r7.com/internacional/taliba-apresentadoras-de-tv-no-afeganistao-devem-cobrir-o-rosto-19052022

Copyright © Thomson Reuters.

INTERNACIONAL | por Reuters

Comentários