Tribunal mexicano condena Google a pagar R$ 1,26 bilhão a advogado por danos morais

Empresa americana foi processada após permitir a publicação de um blog que acusa o mexicano de cometer vários crimes 

O Google confirmou na última sexta-feira (17) que foi condenado no México a pagar cerca de 245 milhões de dólares (R$ 1,26 bilhão) a um advogado por permitir a publicação de um blog que o apontava sem provas de vários crimes, decisão que contestará em tribunais superiores.

Em um breve comunicado enviado nesta sexta-feira à AFP, o Google México confirmou a sanção por “danos não pecuniários” após o processo.

“Lamentamos a sentença (…), que consideramos arbitrária, excessiva e sem qualquer fundamento. O Google se defenderá até a última instância”, diz o comunicado.

Esta decisão, emitida em 13 de junho, “atenta a liberdade de expressão e outros princípios fundamentais e confiamos que os tribunais federais agirão em estrita conformidade com a lei”, acrescenta o comunicado.

VEJA TAMBÉM

O demandante é o advogado Ulrich Richter Morales. Ele acusa o Google de ter permitido a divulgação que o coloca como autor de supostos crimes como lavagem de dinheiro, tráfico de influência e falsificação de documentos.

“É uma decisão muito importante e relevante nesta era tecnológica, na era digital, e acho que abre um precedente de que os motores de busca tecnológicos também podem estar sujeitos à responsabilidade por danos não patrimoniais e que não estão isentos disso”, disse Morales em entrevista.

O advogado acrescentou que a multa “deve ser exemplar para que aquele que causou o dano não o repita e que outro cidadão não possa ver seus direitos afetados”.

Ele exige desde 2015 que o Google remova o blog da internet, com oito posts curtos de 2014 ainda disponíveis.

LEIA TAMBÉM

Diante da recusa, Morales Ulrich entrou com uma ação por danos morais, que ganhou em primeira instância em 2021 e da qual o Google recorreu. Esse caso pode ir até o Supremo.

A empresa americana, com sede em Mountain View, enfrentou processos semelhantes em outros países.

Em 6 de junho, um tribunal australiano ordenou que o primeiro-ministro de Nova Gales do Sul, John Barilaro, recebesse 500 mil dólates (R$ 2,57 milhões) em danos por alegar que foi difamado em vídeos de um comediante postados no YouTube, de propriedade do Google.

Por AFP

Comentários